Os 11 melhores filmes com cães

Quem nunca aqui se divertiu e se emocionou com filmes relacionados aos peludos de quatro patas? Não é à toa que a maioria dos filmes relacionados aos caninos acabam se tornando blockbusters mundiais, marcando a vida de diversas gerações.

Levando em consideração esta proposta, resolvi fazer uma lista com os 11 melhores filmes com cães. Espero que gostem, e se ainda não assistiu algum dos filmes citados, não perca tempo e assista logo! Alguns estão disponíveis na Netflix e outros no Youtube Filmes para alugar! 🙂

11. A Incrível Jornada

Sinopse: Você vai se apaixonar por Chance, um Buldog trapalhão, por Sassy, a charmosa e engraçada gatinha que se comporta como um princesa e por Shadow, o adorável e inteligente Golden Retriever. A grande aventura começa quando estes irresistíveis animais de estimação decidem voltar para casa sozinhos, depois de terem ido separados de seus queridos donos. na incrível aventura de volta para casa, atravessando as montanhas, eles vão enfrentar grandes perigos, animais ferozes e as dificuldades do caminho e da natureza. Um filme inesquecível sobre amor, coragem e dedicação.
Pitaco pessoal: não há como esquecer desse incrível trio. Lembro-me até hoje da voz do dublador do Chance, da Sassy e do Shadow, clássico eterno das fitas VHS.
Lançamento: 1993.
Gênero: aventura/comédia.

10. Meu Cachorro Skip

Sinopse: O ano é 1942. Enquanto os aliados salvam o Mundo Livre da ameaça nazista . Willie Morris ( Frankie Muniz) vive isolado do resto do mundo. Tudo que este tímido garoto deseja é um amigo. Afinal, aquele que ele considera seu único e verdadeiro amigo. Dink Jenkins (Luke Wilson) se alistou no exército e está prestes a embarcar para a Europa. Em casa, Willie vive dividido entre o pai linha dura(Kevin Bacon) e a compreensiva mãe (Diane Lane), que percebe a carência do filho. Um presente muda a vida de Willie, ao completar nove anos ele ganha o cãozinho Skip, que além de amizade lhe dá mais segurança, se aproximar da garota mais bonita da escola e provar se valor.
Lançamento: 2001.
Gênero: drama.

Read more

As matérias mais legais da medicina veterinária

Quando a gente está no colégio ou mesmo quando se é calouro sempre bate a curiosidade “Quais são as matérias mais legais da veterinária?”. Isso depende muito da área que você pretende seguir, é claro, mas ainda assim existem aquelas disciplinas que são consenso: todo mundo adora. Resolvi listar as minhas preferidas, para vocês!

Anatomia

Anato, para os íntimos, é a matéria mais legal do primeiro ano porque nela é que temos o choque da faculdade de medicina veterinária. Além de decorarmos todos os acidentes (aquelas protuberâncias) ósseos, temos acesso às peças anatômicas, na qual podemos aprender sobre cada cantinho do corpo dos animais. Quando a gente passa por ela, às vezes, nem damos muita importância, mas acredite: é uma das matérias mais importantes da faculdade!

Laboratório de anatomia e uns 20 kg a menos…

Read more

Carta de um cachorro ao seu humano

12027737_10205348652783868_3211004103280272045_nHumano, vejo que está chorando porque chegou meu momento de partir. Não chore, por favor, quero te explicar algumas coisas. Você está triste porque eu fui embora, e eu estou feliz porque te conheci. Quantos, como eu, morrem diariamente sem ter conhecido alguém especial

Os animais às vezes passam tanto tempo sozinhos a nossa própria sorte. Só conhecemos o frio , a sede, o perigo, a fome. Temos que nos preocupar em como conseguiremos algo para comer e aonde passaremos a noite protegidos. Vemos muitos rostos todos os dias, que passam sem nos olhar, e as vezes é melhor que nem nos vejam, antes de se darem conta que estamos aqui e nos maltratem.

Às vezes temos a enorme sorte que entre tantas pessoas passa um anjo e nos recolhe. Às vezes, os anjos vêm e são organizados em grupos, às vezes há outros anjos longe e enviam muita ajuda para nós. E isso muda tudo. Se necessário nos levam a outro tipo de anjo, que sabe muito, e nos dão remédios para nos curar.

Escolhem uma palavra que pronunciam cada vez que nos vêem. Um NOME. Eu acho que o que você diz, é que somos ‘especiais’, deixamos de ser anônimos, para ser um de muitos, e um de vocês. E conhecemos o que é um lar! Você tem ideia de como isso é importante para nós? Nós já não temos que ter medo, não temos mais fome, ou frio, ou dor, ou perigo.

Se você pudesse calcular o quão feliz que nos faz. Para nós qualquer casa é um palácio! Nós já não nos preocupamos se vai chover, se vai passar um carro muito rápido ou se alguém vai nos ferir. E, principalmente, não estamos sozinhos, porque nenhum animal gosta de solidão, o que mais se pode pedir?

Eu sei que te entristece a minha partida, mas eu tinha que ir agora. Quero te pedir que não se culpe por nada; te ouvi soluçar que deveria ter feito algo mais por mim. Não diga isso, fez muito por mim! Sem você não teria conhecido nada da beleza que carrego comigo hoje.

Você deve saber que nós, animais, vivemos o presente intensamente e somos muito sábios: desfrutamos de cada pequena coisa de cada dia, e esquecemos o passado ruim rapidamente. Nossas vidas começam quando conhecemos o amor, o mesmo amor que você me deu, meu anjo sem asas e com duas pernas.

Saiba que mesmo se você encontrar um animal que está gravemente ferido, e que só lhe resta apenas um pouquinho de tempo neste mundo, você prestará um enorme serviço ao acompanhá-lo em sua transição final. Como te disse antes, nenhum de nós gostamos de estar só, menos ainda quando percebemos que é hora de partir.

Talvez para você não seja tão importante que esteja ao nosso lado nos acariciando e segurando a nossa pata, mas isso nos ajuda a ir em paz. Não chore mais, por favor. Eu vou feliz. Tenho na lembrança o nome que você me deu, o calor da sua casa, que neste tempo se tornou minha. Eu levo o som de sua voz falando para mim, mesmo não entendendo sempre o que me dizia.

Eu carrego em meu coração cada carícia que você me deu. Tudo o que você fez foi muito valioso para mim e eu agradeço infinitamente. Não sei como dizer a você, porque eu não falo sua língua, mas certamente pode ver em meus olhos a minha gratidão.

Eu só vou pedir dois favores. Lave o rosto e comece a sorrir. Lembre-se que bom que vivemos juntos estes momentos, lembre-se das palhaçadas que fazia para te alegrar. Reviva como eu todo o bem que compartilhamos neste tempo. E não diga que não adotará outro animal porque você tem sofrido muito com a minha partida. Sem você eu não viveria as belezas que vivi. Por favor, não faça isso! Há muitos como eu esperando por alguém como você.

Dê-lhes o que você me deu, por favor, eles precisam assim como eu precisei de ti. Não guarde o amor que tens para dar, por medo de sofrer. Siga o meu conselho, valorize o bem que compartilha com cada um de nós, reconhecendo que você é um anjo para nós os animais, e que sem pessoas como você a nossa vida seria mais difícil do que às vezes é. Siga a sua nobre tarefa, agora cabe a mim ser o seu anjo.

Eu acompanharei você no seu caminho e te ajudarei a ajudar os outros como eu. Eu falarei com outros animais que estão aqui comigo, vou lhes contar tudo o que você tem feito por mim e eu vou apontar e dizer com orgulho: ‘Essa é a minha família’.

Hoje à noite, quando você olhar para o céu e ver uma estrela piscando quero que você saiba que sou eu piscando um olho, avisando a você que cheguei bem e dizendo-lhe ‘obrigado pelo amor que você me deu’.

Eu me despeço agora não dizendo ‘adeus’, mas ‘até logo’. Há um céu especial para pessoas como você, o céu para onde nós vamos e a vida nos recompensa tornando a nos encontrar lá.

Eu estarei te esperando!”

Fonte: Tom Masiero

Quando você lembra que nasceu para ser veterinário

As vezes a gente fica desmotivado com todas as dificuldades da profissão. Principalmente depois de formado, quando você tem que estudar, trabalhar, se manter e ser um bom profissional, com baixa remuneração e reconhecimento. Porém, mesmo com todos esses desafios, existem alguns momentos que mexem com a gente. Alguns momentos na qual sentimos que realmente nascemos para sermos médicos veterinários.

Um deles aconteceu comigo quando ainda estava na residência. Embora eu tenha feito na área de reprodução, lá na UEL os R1 rodam por todas as áreas de animais de companhia e naquela semana eu estava atendendo no pronto socorro. Fomos chamados para atender um filhote de uns 6 meses que havia sido atropelado, e estava com fratura completa de rádio e ulna direitos.

O senhor que o havia levado, e que também o havia atropelado, não era seu dono e o cãozinho havia entrado na frente do seu carro, assustado. Embora não tivesse condições de pagar a cirurgia, estava completamente comovido, convicto de que adotaria o Bob, nome que escolheu para o filhote.

Como seu novo tutor era desafiado financeiramente e o Bob estava com a fratura alinhada, a professora plantonista optou por fazer uma imobilização externa chamada Robert Jones modificada, onde acolchoamos o braço e colocamos uma tala, na tentativa de que a fratura se recuperasse sem intervenção cirúrgica. Em filhotes a cicatrização óssea é rápida e, por isso, estávamos confiantes.

Como ele havia sido atropelado, embora não houvesse sinais de contusão pulmonar ou algo mais sério, lembro que ele acabou ficando internado algum tempo, mas não tive mais contato após isso. Mas uma coisa eu nunca vou esquecer – as palavras da minha professora ao tutor:

“Eu sei que é difícil adotar um animal assim de uma hora para outra, mas de uma coisa você pode ter certeza: ele será grato a você para sempre!”.

Passadas algumas semanas eu estava rodando pelo setor onde eram realizadas as trocas de curativo e talas. Na UEL a casuística de animais que necessitam de curativos diários é enorme, por isso um ou dois residentes ficavam responsáveis apenas por isso. Eis que em um dos retornos chega o Bob, abandando o rabo e pulando como se nada tivesse acontecido, como se aquela tala enorme nem estivesse ali no braço dele. Ah! Esqueci de contar, o Bob era mestiço de labrador, mó bonitão, então vocês podem imaginar a festa que era pra ele! hahaha

Chamei a professora que havia ajudado a gente a atender, repetimos o raio X, e os ossos já estavam praticamente consolidados. Mantivemos a tala mais um tempo apenas por precaução. Mas uma coisa eu não tenho nem como explicar: a alegria do Bob com seu dono e do seu dono como o Bob. O orgulho dele ao falar do Bob era imenso e a gente via o mesmo nos olhos do Bob. Uma alegria singela e simples, apenas por estar ali, com pessoas que queriam o seu bem.

É nessas horas que a gente vê o quão nossa profissão é privilegiada ao nos entregar esses momentos simples, mas fantásticos e cheios de felicidade, que podem parecer bobos, mas que realmente fazem a diferença. São momentos como esse que nos lembram a razão de nos dedicarmos todos os dias, mesmo nas situações mais adversas. São momentos como esse que nos lembram por que decidimos ser médicos veterinários.