Artigos, Opinião

Não deixe ninguém te colocar para baixo durante a faculdade

Há alguns dias atrás eu estava zapeando nos stories e vi uma caloura minha comentando super animada sobre um projeto de uma página que ela estava criando, e de como algumas pessoas meio que duvidavam da capacidade dela conseguir conciliar mil e uma coisas ao mesmo tempo, muitas vezes dizendo que não iria dar certo. Isso me lembrou muito da minha própria graduação e de como muitas pessoas também, às vezes, acabavam me colocando para baixo, dizendo que eu não daria conta de fazer tudo o que eu queria e que desistiria no meio. Aliás, a página da minha caloura ainda está em construção, mas já deixo o link para você seguirem a UEL Vet Stories no Instagram, clicando aqui.

Quando estava na graduação eu tive a oportunidade de fazer inúmeros estágios (noturnos e aos fins de semana, inclusive), projetos e iniciações científicas. Participei durante um tempo da comissão de formatura e também havia sido presidente da Empresa Júnior de veterinária, a VetJr UEL, na qual realizei inúmeros cursos e semanas acadêmicas. Foi ainda na graduação que eu criei o Vet da Deprê que, lá no seu auge, atingia cerca de 2 milhões de pessoas semanalmente com postagens diárias no Facebook. Ah! Nessa época eu também tinha um canal de livros no YouTube, o Ler ou não ler? que ainda está ativo até hoje – foi lá que eu aprendi 99% do que eu sei sobre câmeras, iluminação, fotografia e edição de vídeos, me rendendo vários trabalhos com isso. E, durante todo esse percurso, o que eu mais ouvia era “nossa, mas você não vai dar conta!”.

A questão é que, infelizmente, durante toda a sua vida e, principalmente, durante a faculdade, sempre vai ter alguém para querer te botar para baixo. Ocasionalmente podem ser colegas que têm certa inveja de você, independentemente do motivo, ou até mesmo amigos próximos que, sem querer, acabam expondo as dúvidas que têm sobre o seu potencial e acabam falando “Nossa, mas você não acha que tá fazendo muita coisa não? Para um pouco, você não vai dar conta de fazer isso!”.

 

Várias vezes eu pensei em desistir de projetos de projetos pessoais e profissionais por esse tipo de pensamento. A época que eu mais duvidei da minha própria capacidade foi lá no quarto ano da graduação, quando peguei exame na matéria de grandes animais (se eu pegasse DP ficaria retido no ano fazendo apenas aquela disciplina). Essa época foi tensa. Eu já comentei aqui no blog um pouco sobre a síndrome do impostor e a gente sente muito isso. Parece que não sabemos nada e que somos verdadeiras fraudes. Felizmente eu estudei e consegui passar. Cheguei até a ouvir de uma amiga minha “Nossa, Luiz, podia jurar que você não ia conseguir passar em Grandes” eaté hoje não sei se isso foi um elogio ou não, haha 😂.

A questão que eu queria conversar com vocês é: nunca deixem ninguém te colocar pra baixo, principalmente durante a faculdade, que é um período tão sensível. Se você tem vontade de abraçar o mundo, vai lá e abraça! Você só vai saber o seu limite a partir do momento em que tentar cruzá-lo. Se você chegar até ele não tem problema, reduz a marcha e segue em frente, mas não deixa ninguém querer dirigir a sua vida por você. Às vezes as pessoas te julgam pela capacidade delas em executar tarefas (muitas vezes medianas), mas só você sabe até onde consegue ou não chegar.

Por fim, uma última dica: não tenha medo de lotar a sua agenda durante a graduação. Eu sempre digo que quanto mais a gente faz, mais a gente consegue fazer. Tem um livro que eu gosto bastante que se chama O Catador de Sonhos, escrito pelo Geraldo Rufino. O Geraldo é o meu ídolo profissional, e olha que ele nem veterinário é (se você gosta de podcast, recomendo muito ouvir essa entrevista aqui com ele). Ele era catador de latinhas, quando criança, hoje tem uma empresa com faturamento de R$50 milhões de reais anuais e sempre comenta “nunca conheci ninguém bem sucedido que não trabalhasse ao menos 12 horas por dia”. O Rufino é o meu exemplo máximo de superação, bom humor, trabalho, perseverança e alegria.

Obviamente que você não precisa ser um workaholic total durante a graduação, pode aproveitar bastante a faculdade e toda a sua diversão, mas a questão é: não tenha medo de encarar novos projetos e se dedicar ao máximo a eles. Não tenha medo do que os seus colegas de turma vão dizer sobre você. Aproveite a faculdade para festar, sim, mas aproveite também para se envolver em projetos diferentes, estágios diferentes, experiências diferentes. Lembre-se: toda experiência é válida e se tempo fosse sinônimo de sucesso, somente os desocupados seriam bem sucedidos. Acredite, às vezes pode parecer que você tá sufocando com o tanto de responsabilidade que pegou para si, mas no final quando tudo der certo, pode ter certeza que terá valido a pena!

 

Previous ArticleNext Article
Luiz Guilherme Corsi
Criou o Vet da Deprê em 2011, quando ainda estava na faculdade. Hoje é Mestrando em Ciência Animal pela Universidade Estadual de Londrina. Gosta muito de marketing digital, é cachorreiro nato e não dispensa um bom livro. Instagram: @lgcorsi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *