fbpx

Dicas para não dormir no ponto

Que estudante nunca precisou ficar acordado mais tempo que o normal, seja para estudar na véspera de prova, ou para entregar um trabalho de última hora?
O cotidiano do acadêmico e do profissional de medicina veterinária requer muita dedicação, tempo e principalmente esforço: físico e mental. Isso se torna mais evidente em épocas de provas, quando precisamos nos dedicar a milhares de matérias simultaneamente.
Mesmo que estudemos diariamente, alguma hora a faculdade irá nos exigir um tempo extra e infelizmente teremos que perder um pouco do nosso sono. Sabendo de tal necessidade, resolvi compilar em uma postagem algumas dicas pessoais e outras que acabei encontrando na internet e que parecem funcionar muito bem para ficar acordado. As dicas valem também para aquelas aulas em que você está morrendo de sono, mas que precisa prestar muita atenção na matéria!

1. Cheire alguma coisa
Um cheiro forte, ruim ou bom, pode te deixar mais alerta rapidinho. Balas de hortelã ajudam bastante a te deixar mais ligado, principalmente aqueles chicletes de menta forte. Se você gosta de balas de café, também é uma boa hora de unir o útil ao agradável. Halls preto também é uma ótima sugestão!
(pensaram que eu ia falar pra cheirar ou coisa, né? hahaha)
2. Faça massagens
Massageando qualquer um dos seguintes pontos irá melhorar sua circulação e diminuir sua fadiga:
– Topo da sua cabeça (toque levemente com a ponta de seu dedo);
– Parte superior traseira de seu pescoço (cangote);
– Parte de trás de suas mãos (entre seu indicador e o polegar);
– Logo abaixo dos joelhos (abaixo dos joelhos, e não acima! haha);
3. Tire um cochilo
Se você já está estudando há horas e não está aguentando mais, tire um cochilo de meia hora. Pode melhorar sua atenção quando acordar, mas só não vale ceder à cama! Logo que levantar aproveite e tome alguma coisa quente, como o próprio café. Vai te ajudar a ficar mais ligadão!
4. Mastigue gelo
Enquanto estiver mastigando gelo, você nunca cairá no sono. O gelo vai deixar seu cérebro alerta, mesmo que esteja exausto. Você só tem que pesar se vale fazer isso para estudar, pois mesmo que esteja acordado, a fadiga irá lhe tomar conta!
5. Dê um alô para o sol
Se você não está mais aguentando estudar aquele assunto chato, dê uma passeada no jardim e tome um pouco de sol. Se não tiver sol, vá para o lugar mais claro que conseguir. Aproveite e vá ao banheiro lavar o rosto e molhar a nuca. O sono passa que é uma beleza!
6. Se mantenha inconfortável
Não precisa estudar de pé, mas também não tente estudar deitado. Procure uma mesa espaçosa e uma cadeira comum, que te deixe com uma boa postura. Se tentar estudar na cama, seu corpo automaticamente associará que você está indo deitar porque quer dormir (ou fazer outra coisa…), aí já viu né…
Estudar com um pouco de frio também é uma opção razoável, ou pelo menos com um ventilador virado para o seu rosto, comigo funciona!
7. Evite estudar de barriga cheia
Como já dizia o bom e velho Sherlock Holmes, comer muito e pensar não combinam. Todo o sangue que era para estar oxigenando seu cérebro estará concentrado na sua barriga, sem contar que existe todo aquele lance de parassimpático e o caralho a4 sistema nervoso central.
Caso você esteja realmente com fome e só consiga pensar na comida (como eu às vezes, haha) coma uma barrinha de cereal ou uma maçã. A maçã é doce e um pouco azeda ao mesmo tempo, e associado ao ato de movimentar os músculos de seu rosto, ajudará a te acordar de forma saudável. Reza a lenda que uma maçã é o equivalente à uma xícara de café!
8. A cada meia hora, faça algum dos seguintes itens:
– Atividade física por 2-3 minutos (andar por aí ou até mesmo polichinelos)
– Lavar seu rosto com água
– Beber um copo de água gelada (o frio te mantém ligado, e a água te garante que você precisará levantar para ir ao banheiro a qualquer hora! hahaha)
– Escove os dentes
– Masque chicletes. Ajude a movimentar os músculos da face e a trazer mais sangue para sua cabeça!
– Pequenos alongamentos
9. Não se deixe levar
Seu cérebro sempre tentará te levar para o mal caminho, seja no estudo em casa ou na aula da faculdade. Se você sentir que irá começar a pescar, pense por alguns minutos em alguma coisa diferente, veja algum vídeo no youtube, cutuque quem estiver na sua frente, ou qualquer outra coisa que deixe sua mente trabalhando.
A minha estratégia quando estou na aula é sempre fazer uma pergunta. Nem que seja a pergunta mais tosca do universo, ela irá ajudar a focar a atenção em mim e consequentemente a liberar aquela injeçãozinha de adrenalina na circulação.
10. Café e energéticos ajudam
Mas não em altas quantidades! Não adianta você tomar 1 litro de café e virar um zumbi depois. Eu mesmo senti isso na pele quando era calouro. Em uma das minhas primeiras provas, fiz 1 litro de café e tomei tudo só numa sentada à noite. Resultado: não consegui dormir, não consegui estudar e ainda tive uma bela de uma dor de barriga no outro dia!
11. Escreva
Pessoalmente, essa dica me ajuda bastante na hora de ficar esperto durante as aulas. Algumas delas são realmente massantes, e se eu não estivesse concentrado digitando ou escrevendo tudo o que o professor fala, confesso que seria bastante difícil ficar acordado.
12. Chupe um limão
Espere ficar com sono e chupe um limão. Sério, vai por mim. Você irá me agradecer por esta dica! hahaha

E você, qual é sua estratégia de guerra contra o sono nas horas difíceis?
Façam o teste e me contem!

Lembrando que dormir cedo e acordar cedo também ajuda, viu?! hahaha
Depois eu vou fazer um artigo sobre como dormir melhor e melhorar os estudos! 😀
Fontes:

Dica de presente para o dia das mães

 

E aí, já pensou no que dar de presente para sua mãe semana que vem?
Decici deixar a minha dica pessoal para vocês, e indicar o livro “Querida Mamãe – Obrigado por tudo” do fotógrafo e escritor Bradley Trevor Greive, famoso por livros como “Um Dia ‘Daqueles‘” e “O Sentido da Vida“.
Resolvi dar a sugestão porque as fotos do livro são simplesmente fantásticas e, aliadas à perspicácia de suas legendas, o tornam um perfeito exemplo de gratidão às pessoas que tornaram nossa vida possível, ou seja, nossas mães.
Dei este livro para a minha ano passado, e não pude esperar melhor reação dela, senão a de um sorriso emocionado ao ler as primeiras páginas. O diferencial? Fotos inexplicáveis de mães em seus habitats naturais com seus filhotes. Nada melhor do que um presente destes, de um futuro veterinário, não acham?
Enfim, resolvi aproveitar para dar a dica!
Aliás, na Saraiva a edição de bolso do livro está saindo por R$9,90!
 Trechos do livro A incrível verdade sobre as Mães do mesmo autor. Clique nas imagens para ampliar.


Sinopse:
Nem sempre é fácil achar as palavras certas para dizer o quanto gostamos de nossas mães. Como agradecer por toda dedicação, amor e cuidado que recebemos? Querida mamãe vai ajudar os filhos de todas as idades (especialmente os que se dizem crescidos) a expressar esses sentimentos tão fundamentais com uma divertida combinação de palavras e extraordinárias fotografias de animais.
Número de páginas: 84. 
Editora: Sextante.

 

Onde eu consigo achar artigos científicos?

A pergunta pode parecer um pouco sem sentido e a resposta um tanto quanto óbvia para os pós-graduandos, mas acredite, a grande maioria dos universitários não sabe fazer uma pesquisa científica básica. Arrisco a dizer que metade da minha turma não faz ideia do que seja um periódico, e olha que estou no 4º ano do curso.
Visando esta defasagem e aproveitando que na maioria das vezes os alunos não tem ninguém para explicar, resolvi fazer um pequeno tutorial ensinando a procurar artigos na internet. A partir de hoje, chega de Wikipedia e bora fazer uma ótima bibliografia para o seu trabalho!

A primeira dica é, como sempre, pesquisar no Google. O único inconveniente, é que o filtro do google é um tanto quanto “liberal”, ou seja, irá aparecer tudo o que a internet puder lhe proporcionar, e isso pode incluir  no kit informações precipitadas e/ou defasadas. Caso você não queira fugir dele, tente dar mais atenção às páginas que se pareçam com artigos científicos, principalmente aquelas disponíveis em PDFs e que  no mínimo contenham bibliografia. Fuja dos blogs e das páginas mal feitas (aquelas que você percebe que é caseira). Páginas de universidades são ótimas fontes de conteúdo, assim como o Google acadêmico também é uma boa opção.
Se o que você precisa é realmente um artigo científico, é com grande prazer que lhes apresento o Portal de Periódicos da CAPEShttp://www.periodicos.capes.gov.br/, o “google” da pesquisa científica brasileira. Nele acredite, você com certeza encontrará algum artigo relacionado ao tema que você está procurando. Desta vez o porém é que a maioria esmagadora dos artigos são publicações internacionais, ou seja, em inglês. Portanto trate de afiar o seu the book is on the table caso você queira encontrar alguma publicação de peso na área em que precise.
Minha segunda dica que é você arranje um notebook e vá para a biblioteca da sua faculdade, ou use os computadores da própria biblioteca e se conecte na internet por lá. Mas por que eu tenho que usar a internet da faculdade para poder pesquisar? A resposta é simples (ou não). As universidades assinam uma série de periódicos online que só podem ser visualizados através de sua conexão, ou seja, de seu proxy. Usando o proxy da sua faculdade as chances de você encontrar artigos interessantes aumentam exponencialmente. Procure também se informar com o pessoal da informática ou da própria biblioteca, pois algumas universidades (se não todas) disponibilizam o proxy para que você use a conexão de sua casa, mas isso pode variar de uma para outra.
Bom, o básico é realmente isso. Para usar o sistema do Portal da Capes, é só você selecionar á área do conhecimento, que no nosso caso é a Ciências Agrárias (ou Saúde e Biológicas, em outros casos) e digitar as palavras chaves em inglês do que você quer pesquisar (ou tentar a sorte em português). O portal irá fazer a pesquisa nos periódicos disponíveis e lhe dará o resultado. Clicando no link do artigo desejado você irá para outra página que lhe dará mais informações sobre o artigo, e então basta clicar no “acesso online”.
É isso, seu artigo está na mão!
Este é o jeito mais fácil que eu conheço de pesquisar artigos de qualidade e tenho certeza que muita gente que não está envolvida na área acadêmica não conhecia.

Procure também se informar sobre os periódicos científicos da sua própria faculdade ou pesquise no SciELO da FAPESP e do CNPq. Aqui na UEL nós temos a Revista Semina, que contém boa parte das pesquisas relacionadas à região (clique aqui para conhecer). É inclusive uma boa ideia você pesquisar pela revista da sua universidade, pois pode acabar achando artigos de seus professores e fazendo aquela moralzinha com eles!
Caso você realmente não encontre o que deseja, peça ajuda aos universitários do nosso grupo de estudos do facebook clicando aqui. Tenho certeza que eles saberão como te ajudar! Ou não hahaha!
Dúvidas e novas sugestões são sempre bem vindas!

Qual a diferença entre zootecnia e veterinária?

Embora eu não seja um expert no assunto, pois sempre gostei mais de animais de companhia, muitas pessoas já vieram me perguntar qual a diferença entre estas duas profissões, que aparentam ser muito parecidas, e acabam confundindo a cabeça das pessoas que são de fora do contexto agrário, ou que pretendem prestar vestibular. Deixando qualquer “rixa” de lado, espero que este artigo funcione de modo a esclarecer todas as dúvidas referentes ao assunto, e qualquer coisa que eu não saiba, existe o campo de comentários para vocês perguntarem!

A zootecnia, na verdade, nasceu como uma vertente da medicina veterinária, coisa que poderão notar ao perceber que a maioria dos cursos de zootecnia das grandes faculdades são relativamente novos, em relação aos cursos de veterinária. Com a especialização cada vez maior dos cursos de graduação, a zootecnia acabou se desmembrando e conseguindo com êxito seu espaço dentro do contexto agrário.

Mas então, qual é a diferença?

A medicina veterinária é a área especializada na saúde do rebanho, seja ele qual for a espécie, mais comumente falado sanidade animal. O médico veterinário é aquele responsável pela prevenção, controle, erradicação e tratamento das doenças do rebanho. Já o zootecnista é quem cria este rebanho, de modo à conseguir sua máxima eficácia em produção, sendo o responsável pela parte de nutrição e alimentação, melhoramento genético, manejo e administração da propriedade.

Lembrando que o profissional formado em zootecnia está cada vez mais inserido também no mercado pet e de animais selvagens, seja com o manejo propriamente dito ou na confecção de rações balanceadas para as diferentes espécies animais.

Durante o período de faculdade, ambos os cursos são muito parecidos, mas cada um é mais especializado na área em que irá seguir. Por exemplo: ambos os cursos tem a matéria de anatomia em sua grade curricular. Porém, a carga horária no curso de veterinária é muito mais pesada, algo em torno de 150 horas, contra 50 horas de zootecnia. Coisa que se opõe, quando o assunto são matérias de nutrição e melhoramento genético, por exemplo.

O mesmo vale para os professores. Normalmente os professores que dão aula de nutrição, alimentos e melhoramento para a medicina veterinária são zootecnistas. O inverso acontece quando os alunos de zootecnia recebem aulas de anatomia, microbiologia e parasitologia. Isso para exemplificar as matérias mais básicas.

Eu ainda me arrisco à fazer uma analogia com os cursos de engenharia. Existem vários cursos específicos, como engenharia elétrica, mecânica, civil, etc. Acredito que a zootecnia seria como o curso de engenharia de produção das ciências agrárias, na qual se precisa ter uma noção básica de todas as outras engenharias, para que possa conduzir efetivamente seu trabalho de manutenção da propriedade.

Na prática rural infelizmente (ou felizmente?) tudo acaba se misturando um pouco, todos são considerados “doutores” e acabam realizando a mesma coisa. Mas já existem movimentos contrários à isso, principalmente com a criação do Conselho Federal de Zootecnia, na qual pretende separar estas duas áreas e torná-las independentes. Mas isto, por enquanto, são emoções para os próximos capítulos!

Dúvidas são sempre bem vindas no campo dos comentários, e qualquer coisa que eu não saiba, os outros leitores estão aí para ajudar!